Como planejar ensaio de louvor

Ensaio de louvor

Planejar ensaio de louvor requer muita dedicação e empenho pois, a saber, é uma importante ferramenta de evangelização que a Igreja possui.

Ensaiar é algo fundamental para qualquer equipe de música, pois é durante os ensaios que serão definidas as formas de condução do louvor.

Um líder de louvor que não estiver preparado para o ensaio poderá enfrentar grandes apuros enquanto estiver ensaiando.

Os demais integrantes também devem atentos ao que é necessário para o bom andamentos dos ensaios, pois formam um grupo de louvor que, em geral, é composto por:

  • Líder instrumental e vocal;
  • Instrumentos de base (teclado, violão/guitarra, contra-baixo, bateria);
  • Cantores (voz principal e vozes de apoio);
  • Instrumentos de sopro (flauta, gaita, saxofone, trompete, entre outros) são complementares e se for possível, é bom tê-los;

Todos da equipe de louvor devem ter preocupação com o planejamento, organização e dinâmica de ensaio. Aqui estão algumas dicas.

1. Planejamento do Ensaio de louvor

Talvez nem todos sabem, mas o tempo dispensado para planejar um ensaio de louvor é muito maior do que a duração do mesmo.

A fases que antecedem o dia de ensaiar são preciosas para a organização de todas as coisas que são essenciais para tudo ocorrer bem.

1.1 Escolha de um bom repertório

Se a equipe (ou grupo de louvor) ainda não possuir repertório de louvores, o primeiro passo é ir fazendo a seleção dos hinos que poderão ser usados em ocasiões distintas.

Isso porque os louvores precisam refletir o momento que a igreja local vive, além de acompanhar o conteúdo da mensagem (estudo, sermão, etc.).

E, para fazer as escolhas corretas, sem deixar de ter respaldo bíblico, é fundamental ler mais sobre como escolher bom repertório de louvores.

1.2 Definição do dia e duração do ensaio

De acordo com a realidade da igreja e em acordo com o líder ministerial, escolha um dia que seja o ideal para os membros do grupo ensaiarem.

É importante, em momentos oportunos, utilizar alguns minutos para fazer algumas orações em prol das necessidades individuais e do grupo.

Os ensaios podem durar de 1h30 a 3h00 (dependendo do tamanho e característica do grupo), mas a maioria dos grupos tem 1h00 por ensaio.

Este é um grande motivo pelo qual se deve ganhar tempo, não deixando para definir no ensaio aquilo que pode ser resolvido antes.

1.3 Providencie áudio, cópia, cifra, letra e pastas

A tecnologia tem auxiliado muito os líderes e participantes dos grupos de louvor, pois existem inúmeros aplicativos com dicas de voz e suporte para instrumentistas.

Porém, não podemos esquecer que a tecnologia não é acessível à todos, o que faz com que precisemos providenciar os recursos para todos da equipe.

Se todos precisarão usar é outra história, mas os recursos estarão lá, disponíveis. Entre os recursos citamos áudio, cópia, cifra, letra, partitura e pastas.

Áudio – Envie para todos quantos for possível, via E-mail, Whatsapp ou outra ferramenta, o áudio do louvor que será ensaiado.

Se possível, consiga o áudio da divisão das vozes (soprano, contralto, tenor e baixo) para acelerar o aprendizado, mas é importante que o grupo tenha a cultura de ouvir.

E, além da prática de ouvir com antecedência os áudios enviados, a equipe precisa ter a consciência de que esta escuta individual não dispensa a necessidade de ensaiar.

A prática é individual e o ensaio é relacional!

É a partir dele que virá o entrosamento, a afinação, o ajuste do que for necessário em relação às vozes e instrumentos musicais.

Cópia – É imprescindível que todos tenham cópia da letra, para conhecerem melhor o louvor.

Partitura – Se porventura houver quem saiba ler partitura, é importante disponibilizar, para incentivar a evolução e estimular àqueles que ainda não leem.

Cifra – Para os instrumentistas, envie cifra dos louvores.

Pastas – Por causa das projeções de louvores em Slideshow, muitos deixaram de usar seus próprios arquivos. Isso gerou displicência e acomodação.

Portanto, organize o repertório nas pastas de louvor e verifique a viabilidade de levantar recursos financeiros para providenciar este importante material.

2. A dinâmica do ensaio

Após planejar, é hora de lidar com a direção do ensaio em si, observando alguns pontos cruciais para um bom ensaio musical.

2.1 A direção do ensaio

Dentre as várias coisas que o ensaio precisa ter, algumas são:

Pontualidade – Quem deseja ver algo prosperando precisa ser pontual. Desde o líder ao integrante, todos devem zelar para que ensaie comece na hora em que foi marcado.

Respeito – Nenhum comentário deve ser feito de forma irresponsável ou entendido como irrespeitável. As interjeições devem ser com moderação.

Prioridade – Deve haver prioridade de repassar as partes em que os instrumentos ou vozes tenham maior dificuldade.

Repetição – Poupe tempo e a voz do grupo repetindo apenas partes que precisam ser corrigidas. Na hora de juntar todos, repita até não errar mais.

2.2 Instrumentistas

Se for possível, dirija um ensaio à parte com instrumentistas, para que quando ocorrer o ensaio com todos do grupo, eles já saibam tocar o louvor.

Defina a parte que a bateria acústica fará o arranjo (se houver), as ênfases do sopro (flauta, trompete, saxofone, etc.) e as demais partes da canção.

2.3 Vozes

Faça um aquecimento vocal antes de iniciar o ensaio. Informe ao grupo a importância de se preocupar com as cordas vocais, com boas práticas para melhorar a voz.

Se o grupo de louvor possuir quantidade suficiente para a divisão de vozes, é imprescindível que ela seja feita, saiba como fazer a divisão de vozes.

Um número razoável de cantores para o grupo de louvor é 16, quatro de cada naipe (4 soprano, 4 contralto, 4 tenor e 4 baixo), mas não é regra.

Escolha pessoas em cada voz com perfil para auxiliar os demais. É sempre bom ter uma voz de referência!

2.4 Equipamentos

Se a estrutura permitir, é bom fazer a utilização de caixas de retorno para a igreja, além dos instrumentistas.

Além disso, as vozes podem ser amplificadas, desde que saibam como usar o microfone corretamente.

Aqui deve ser concluída esta fase com todas as definições quem fará (cantará, tocará) cada parte, quando, como e com o quê a farão.

3. A avaliação da execução

O ensaio é um teste, uma prévia de como o louvor ficará quando for cantado nos cultos e reuniões. Após cantar “oficialmente”, é hora de avaliar o que pode ser melhorado.

4. Correção

A correção visa o aperfeiçoamento das vozes e instrumentistas, em arranjos, acordes, harmonia, melodias, notas, ritmos, entre outras coisas.

Um novo ensaio será muito útil para corrigir louvores antigos e aprender louvores novos.

Considerações importantes sobre o ensaio na igreja

O responsável deve procurar facilitar ao máximo o trabalho do grupo e ter capacidade musical para auxiliar nas dúvidas de cada membro da equipe.

É importante levar a sério a parte que lhe cabe, fazendo o melhor, sempre consciente de que é para a glória de Deus, lembrando que o louvor tem grande teor profético.

1 Comentário

  1. Ilma Matos
    21 de setembro de 2016 em 21:29

    Gostei muito,gostaria de dicas para cantatas….abraços

Comente

Teu E-mail não será divulgado.